Santinha Rosa de Lima

Padroeiro:

Do Peru, da América Latina e das Filipinas, e protetora das floristas, enfermeiras, artesãos e contra as doenças de mosquitos como dengue e zika.

História:

Santa Rosa de Lima nasceu na cidade de Lima, capital do Peru, a dia 30 de abril de 1586. Filha de Gaspar Flores e Maria de Oliva, foi a terceira filha de treze irmãos.

No dia 25 de maio do mesmo ano, seus pais a batizaram na Igreja São Sebastião com o nome de Isabel, em homenagem a sua avó materna, Isabel Herrera, mas quando completou três meses de idade, uma criada índia, embalando-a no berço, viu seu rosto tão formoso que chamou a mãe e comentou: ”enquanto vivesse jamais ouviria de sua boca outro nome senão o de Rosa”.

E assim vem o nome Rosa, pelo qual seria conhecida.

Desde pequena, tinha grande inclinação à oração e à meditação. Aos cinco anos aprendeu a ler sozinha, e aos 11 anos, foi crismada.

A jovenzinha sentiu que deveria fazer alguma coisa pelos sofredores, e resolveu fazer o que podia e sabia fazer: sofrer e rezar. Daí em diante sua vida foi de sacrifício, jejum e oração.

Enfrentou sempre a oposição feroz de sua mãe, que não se cansava de repreendê-la e humilhá-la, e iniciou a visita aos doentes nos hospitais.

Até que decidiu ingressar em um convento da ordem Agostiniana, foi, então, rezar para despedir-se de Nossa Senhora do Santíssimo Rosário e, estando diante da imagem da Virgem Santíssima, sentiu que não podia levantar-se nem mesmo com a ajuda de seu irmão. Foi então que percebeu ser tudo aquilo um aviso dos céus para não ir, e bastou fazer uma prece à Nossa Senhora para que a paralisia desaparecesse por completo.

A partir deste dia, Rosa, passou a pedir diariamente a Deus para lhe mostrar em que ordem religiosa deveria ingressar, até entrar na Congregação da Ordem Terceira de São Domingos. E aos vinte anos, pediu e obteve licença de emitir os votos religiosos em casa, e não no convento, como terciária dominicana.

Construiu para si uma pequena cela no fundo do quintal da casa de seus pais onde se refugiava e se afastava de tudo para rezar, e passou a levar uma vida de austeridade, de mortificação e de abandono à vontade de Deus. Através de rigorosas penitências, Rosa eliminou de sua vida todo orgulho, amor próprio e vaidade.

Quando seu pai perdeu toda a fortuna, Rosa não se perturbou ao ter que trabalhar de doméstica.

Vivendo fora do convento, renunciou às inúmeras propostas de casamento e de vida fácil, e alcançando um alto grau de vida contemplativa e de experiência mística, suas orações e penitências conseguiram converter muitos pecadores.

Seu amor pelo Senhor era tanto que quando falava Dele, mudava o tom de sua voz e seu rosto se acendia como um reflexo do sentimento que embargava sua alma.

Tempos depois, uma comissão de médicos e sacerdotes examinou a Santa e concluíram que suas experiências eram realmente sobrenaturais. O modo de vida e as práticas ascéticas de Santa Rosa de Lima só convêm às almas chamadas a uma vocação muito particular. O mais admirável em Santa Rosa foi seu grande espírito de santidade heroica.

Rosa morreu em 24 de agosto de 1617, aos 31 anos de idade repetindo a frase ”Jesus seja comigo, Jesus seja comigo”. Muitos milagres aconteceram após sua morte e multidões acompanharam seu sepultamento e a devoção perdura ate nossos dias.

Oração:

Ò Santa Rosa, primeira flor de santidade do novo mundo, eu vos louvo e bendigo de todo coração com santa alegria. Quando edificaste a Santa Igreja de Deus pela vossa pureza Angélica, pela vossa paciência admirável e pelo amor à Jesus no Santíssimo Sacramento! Alcançai-me com a vossa piedosa intercessão a graça de guardar a virtude da santa pureza do coração, de sofrer tudo por amor de Jesus Cristo e de Maria, com paciência e resignação de receber sempre, com sincera devoção e amor, o sagrado corpo e precioso sangue de Jesus na Santa Comunhão. Rogai por mim, protetora minha, para que Jesus sempre esteja comigo na vida e na morte e por toda eternidade.

Amém

Mensagem:

Share Button