Nossa Senhorinha do Silêncio

Padroeiro:

Dos surdos.

História:

Apesar de Maria não ter dito uma palavra nesta aparição, não é por isso que ela não fala ao coração de cada um de nós.

Numa aldeia de Knock, situada a oeste de Dublin em 1829, foi construída uma pequena e pobre igreja paroquial rodeado por um muro de pedra onde não cabiam mais de 30 pessoas. Foi dedicada à São João Batista.

Durante todo o século XIX, a Irlanda sofreu uma depressão da sua economia por causa das más colheitas, sobretudo da batata. No ano de 1879, os agricultores quase não tinham de comer. Nesse ano, houve mas uma desastrosa colheita de batata o que anunciava mais miséria e fome. As pessoas morriam de fome e de doenças, minadas por uma vida muito dura.

Bartholomew Cavanah, foi nomeado prior da igreja em 1867. Era um santo homem, profundamente devoto de Nossa Senhora da Imaculada Conceição. Era de bom grado que sacrificava os seus bens materiais para ir em auxílio dos pobres e famintos, e nunca teve conta bancária. Também assim considerava as pobres almas do Purgatório. Considerando a Virgem Maria como Mãe de Deus e de todos os filhos de Deus, recorria à sua intercessão por todos os que estavam no Purgatório. Na verdade, alguns meses antes da aparição em Knock, o Padre Cavanah começou a dizer 100 missas pelas pobres almas do Purgatório que Nossa Senhora mais desejasse ver libertas. Surpreendentemente, foi no dia da centésima missa que Nossa Senhora visitou Knock, ao final da tarde de 21 de Agosto de 1879. Foi um dom maravilhoso que exprimiu a gratidão de Nossa Senhora e das almas que foram para o Céu.

Nesse dia, o céu estava coberto de pesadas nuvens. O Padre Cavanah tinha ido visitar paroquianos em regiões vizinhas. Nessa tarde, uma chuva cerrada encharcou-lhe a roupa e a aldeia ficou toda molhada pela noite fora. Mary McLoughlin, a sua empregada, acendeu a lareira para lhe secar as roupas e depois foi embora visitar uma amiga, Mary Beirne, que ali morava próximo.

Ao passar junto à igreja deu conta de estranhas figuras e de um altar junto à empena da igreja voltada a sudoeste. Parecia haver uma luz estranha em volta daquelas figuras, mas pensou que era um efeito da luz brilhando através da bruma. Depressa achou que talvez o prior tivesse encomendado algumas imagens novas.

Mais ou menos ao mesmo tempo, um outro membro da família Beirne, Margaret Beirne, chegou à igreja para a fechar durante a noite. Também ela deu conta de um brilho estranho que vinha do lado sudoeste da igreja. Mas, com pressa de se abrigar, não olhou mais, nem disse a ninguém nada sobre o brilho naquela noite. Quando terminou a visita, a amiga Mary Beirne acompanhou Mary McLoughlinde de volta, em direcção à igreja. Diziam que as figuras eram imagens iluminadas pela luz. Mas, quando se aproximaram, Mary Beirne exclamou:

“Mas não são imagens, estão se mexendo. É a Santíssima Virgem!”

Por baixo da parede da igreja, três imagens estavam de pé. As duas mulheres tomaram consciência que não podiam ser imagens porque aqueles seres passeavam por cima do monte de erva embaixo delas. Todos vestiam de branco e brilhavam como prata. Uma luz dourada, brilhante, envolvia-as, bem como um altar que estava colocado um pouco por trás delas. Sobre o altar estava um cordeiro e por cima do cordeiro erguia-se uma grande cruz branca. Seis anjos com asas que se moviam, rodeavam o altar e a cruz.

Mary Beirne então correu para os vizinhos mais próximos e disse-lhes para virem ver “a visão maravilhosa!” Rapidamente outros se juntaram a elas para ver e rezar diante da aparição do céu. Todos os que testemunharam o acontecimento, afirmaram que se tratava da Virgem Maria com São José à sua direita e São João Evangelista, à esquerda.

A mais velha das videntes era Bridget Trench, de 75 anos. Caminhou em direção à visão e, à chuva, tentou beijar os pés de Maria. Mas não conseguiu: parecia que Maria se afastava um pouco. Quando as mãos e a cabeça inclinada de Bridget entraram na área da visão, caiu de joelhos na erva seca. Nessa área, não lhe caiu em cima uma gota de chuva.

Os quinze vidente permaneceram fixados à visita luminosa durante duas boas horas. Rezaram o terço em conjunto. Mais tarde a aparição desvaneceu-se.

Durante as semanas e meses que se seguiram à aparição, toda a aldeia continuava a perguntar: “Porque é que Nossa Senhora lhes tinha aparecido?” Multidões de pessoas começaram a afluir a Knock. Deram-se numerosas curas e várias delas foram relacionadas com a aplicação de terra retirada da parede da empena. Tanta terra tiraram que a parede estava em perigo de cair. Nos primeiros três anos que se seguiram à aparição de “Nossa Senhora do Silêncio”, o Padre Cavanah registou aproximadamente 300 curas milagrosas associadas com o santuário de Knock!

Em 1880, a primeira comissão eclesiástica aprovou o testemunho de todas os 15 videntes como “digno de confiança e satisfatório”. Em 1936, provas confirmadas e centenas de curas milagrosas foram enviadas para Roma. A aparição de Knock teve a sua aprovação total e o reconhecimento da Igreja Católica.

Cem anos depois da aparição, em 1979, o papa João Paulo II abençoou o local com a sua presença na celebração do centenário. Meio milhão de peregrinos se juntaram no santuário onde o papa declarou a passagem da Igreja de Nossa Senhora, Rainha da Irlanda, a Basílica.

Oração:

Senhora do silêncio, ensina-me como fizestes, a guardar em meu coração todas as coisas, pois é no silêncio que eu ouço tudo o que o Senhor tem a me dizer e que o Espírito Santo sopra sobre mim; e os ensinamentos do seu Filho Jesus. Vós Senhora, soubestes fazer silêncio, e nós teus filhos murmuramos e reclamamos, venha nos ensinar.

Mãe do Silêncio, em ti não existe dispersão. Em um ato simples e total, tua alma, toda imóvel, está paralisada e identificada com o Senhor. Faze-nos entender que o silencio não é desinteresse pelos irmãos, mas fonte de energia e irradiação. Faz-nos compreender que para derramar é preciso preencher-se. Venha Mãe nos mostra como fazer.

Envolve-nos em teu manto do silêncio e comunica-nos, a fortaleza da tua Fé a altura da tua Esperança, e a profundidade de teu Amor.

Fica conosco Senhora. Ó Mãe Admirável do Silêncio.

Amém

Mensagem:

Share Button